+55 85 9 8220-0088

CONSULTORIA FORMATIVA

Profissionais que trabalham com intervenção em Transtorno do Espectro Autista e Atrasos no Desenvolvimento, que precisam de apoio técnico, também podem se servir de serviços de supervisão da Luna Aba, que será oferecido por nossa equipe de Analistas do Comportamento com formação em Psicologia, Educação, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional, ocasião em que se pode discutir e orientar processos de avaliação e intervenção.

A supervisão em uma intervenção baseada em ABA

Análise do Comportamento Aplicada – ABA não é o que as pessoas chamam de Método ABA, na verdade, é muito mais complicado do que isso. Um método é um conjunto de procedimentos a serem aplicados, em série, talvez com pequenas variações e qualquer pessoa séria que decidiu trabalhar com intervenção baseada em ABA já deve ter se perguntado “por que fui me meter nisso?”. As atualizações são muitas e constantes e o processo formativo precisa de um guia que o conduza.

Formação em “Método ABA”?

A Análise do Comportamento é um campo, com a sustentação filosófica do Behaviorismo Radical, com conhecimentos básicos produzidos pela Análise Experimental do Comportamento e que utiliza estes conhecimentos para melhorar a qualidade da vida humana através da Análise do Comportamento Aplicada, que usamos a sigla do inglês Applied Behavior Analysis – ABA para designar. Esta ciência foi fundada por Skinner e seus resultados para mudança comportamental humana para melhoria de sua qualidade de vida já foi demonstrada em diversas áreas, como educação, drogadição, desempenho esportivo, Recursos Humanos, entre outros.

No entanto, o campo em que a Análise do Comportamento se destaca por suas evidências inquestionáveis é o da intervenção em pessoas com Transtorno do Espectro Autista – TEA, Deficiência Intelectual e Atrasos no Desenvolvimento. Uma das pesquisas mais importantes nesta área foi realizada por Ivar Lovaas e publicada em 1987. Neste trabalho ele demonstrou que com uma intervenção intensiva precoce baseada em ABA, 47 % das crianças conseguiram atingir os marcos do desenvolvimento típico e se matricularem na escola em salas regulares, sem nenhuma necessidade de apoio. Desde a pesquisa de Lovaas, foram milhares de outras pesquisas que deixaram ainda mais sólidas as evidências científicas da Análise do Comportamento Aplicada – ABA com melhores resultados para Transtorno do Espectro Autista – TEA, Deficiência Intelectual e Atrasos no Desenvolvimento.

No entanto, é fundamental observar que uma intervenção baseada em ABA é um verdadeiro artesanato para individualizar todo o processo de estimulação e este processo exige um enorme conhecimento desta ciência. Não basta estar “treinado” ou dominar certos protocolos, é preciso ir além, por isso mesmo é que tudo isso é norteado por um profissional a que denominamos de Analista do Comportamento.

A profissão do Analista do Comportamento e correlatas

Em vários países, a legislação obriga a oferta de inclusão escolar e de tratamentos no Plano de Saúde. Essas intervenções em devem ser baseados em evidências, o que gera um grande espaço para a atuação em Análise do Comportamento.

Por conta disso, em vários países, a profissão do Analista do Comportamento é bem regulamentada e é exigida para o supervisor, analista do comportamento, uma formação mínima de Mestrado ou Doutorado, uma extensa carga horária de formação específica na área e atuação de centenas de horas na área, com supervisão de um analista do comportamento certificado. Essas três tarefas são requisitos para habilitar o profissional para realizar uma prova teórica na área. Esse processo de formação do analista do comportamento dura anos e já são realizadas, em nível internacional por agências certificadoras, o BACB© e o QABA©4.

Mas além deste profissional, existem outros dois, que fazem parte deste processo de uma intervenção baseada em ABA. Temos também o Assistente do Analista do Comportamento, ou Coordenador, que é alguém que também estudou o assunto, também trabalhou com bastante supervisão e tem uma formação universitária – ele é o terapeuta que coleta os dados e realiza um acompanhamento mais próximo do caso, sempre sob supervisão do Analista do Comportamento.

Além disso, temos uma outra figura, denominada de Técnico Comportamental ou aplicador ABA, que tem 40h de formação e é sempre supervisionado pelo Assistente de Analista do Comportamento – esse profissional encontra a pessoa com Transtorno do Espectro Autista – TEA, Deficiência Intelectual ou Atrasos no Desenvolvimento todos os dias e implementa os programas previstos na intervenção, registrando tudo minuciosamente e entregando esses dados ao Analista do Comportamento ou seu Assistente e sendo continuamente supervisionado por estes profissionais.

No Brasil não existe ainda a regulamentação destas três profissões como ocorre nos Estados Unidos, portanto não há leis que definam como deve ocorrer e a formação exata dos profissionais envolvidos em uma intervenção comportamental baseada em ABA. Há, no entanto, orientações para a formação desses profissionais, realizadas pela Associação Brasileira de Psicologia e Medicina Comportamental (ABPMC), alinhadas às certificações internacionais e que está no caminho de criar um selo acreditador.

A comunidade do autismo tem procurado, cada vez mais, profissionais com certificações internacionais ou que cumpram os critérios elencados pela ABPMC e reconhecem esses modelos de certificação supracitados como os mais adequados.

Os pais, planos de saúde e familiares podem solicitar aos profissionais os certificados na área, de mestrado, doutorado e as certificações internacionais. Também podem solicitar comprovante das horas supervisionadas e da frequência das supervisões do analista do comportamento para o caso. Acreditamos que a qualificação é uma das maiores provas de cuidado que temos com os clientes e o fornecimento dos certificados é a melhor forma de atestar transparência nessa área!

Sobre a Supervisão Formativa ou Técnica

Com base em tudo que fora falado nos tópicos anteriores, acreditamos que você já entenda a importância da supervisão na área. Trata-se de um processo de acompanhamento de um profissional experiente e com larga formação para com outro profissional, a fim de avaliar, orientar e ajudar no desempenho de suas funções. A supervisão pode ser feita com pessoas de todo o país e na interação orgânica entre supervisionando e supervisionado para a melhor decisão em casos clínicos e formação alinhada aos melhores procedimentos. A supervisão técnica ocorre como ilustrada abaixo:

A consultoria oferecida pela LUNA ABA trata-se de supervisão técnica profissional prestada pelo(a) supervisor(a) Analista do Comportamento, cujo foco ocorrerá nas seguintes atividades:

1. Aperfeiçoamento técnico, teórico e prático das intervenções realizadas na clínica;

2. Suporte técnico para a organização geral dos currículos, protocolos de ensino e de registro adotados pela clínica e baseados em evidências.

3. Suporte e direcionamento ético e técnico para as tomadas de decisão com base em desempenhos e dados das intervenções individualizadas.

A prestação de serviços será condicionada a disponibilidade dos quadros profissionais da LUNA ABA. Todas as modalidades de consultoria ofertadas têm natureza técnica e profissional, pelo que a LUNA ABA não assumirá direta ou indiretamente a supervisão de nenhum caso ou de nenhum cliente aos cuidados da clínica ou do profissional interessado.